segunda-feira, 30 de abril de 2012

Do livro ao link - 10 livros que todo administrador deve ler.

O texto original está no site www.administradores.com.br. Escrito por Simão Mairins. A ideia é citar dez livros para qualquer estudante ou administrador.

E o blog aproveita para divulgar o assunto. Abaixo, você confere as sugestões dadas - com base em outros colunistas do site e o público.

1 - Vantagem competitiva das nações.
Michael Porter.

"O livro que destrona 'Riqueza das Nações', de Adam Smith" (Stephen Kanitz, mestre em administração de empresas pela Harvard University). A obra trata de como o desenvolvimento das empresas dentro dos países pode fazê-los crescer.

2 - Blink: a decisão num piscar de olhos.
Malcolm Gladwell.

"(...) é revolucionário porque afirma que decisões acertadas não são sempre fruto de longos processos decisórios e de coleta de informações. Uma decisão rápida também pode ser ótima!"(Sílvia Generali, profª da UFRGS e autora do livro Psicologia aplicada à Administração).

3 - Quem pensa enriquece.
Napoleon Hill.

"Apesar de ter sido escrito há mais de 70 anos, o conteúdo ainda é atual ao abordar a essência do processo de construção de riqueza e sua relação com o funcionamento do cérebro. O autor é extremamente convincente ao demonstrar que a atitude das pessoas é fator imperativo em sua prosperidade, mais do que o acesso à informação ou formação privilegiada." (Gustavo Cerbasi, consultor financeiro e apontado em 2009 pela revista Época como um dos 100 brasileiros mais influentes.)




4 - Como fazer amigos e influenciar pessoas.
Dale Carnegie.

"Se pensarmos que alguns fatores cruciais de sucessos dos negócios estão na habilidade de cultivar relacionamentos estratégicos e gerenciar pessoas, é fundamental ler essa obra e incrementar sua habilidade de networking e talento para lidar com os recursos humanos." (Edney Souza, responsável pelo Interney.net, um dos blogs mais populares do Brasil.)

5 - Em frente! - Como a Starbucks lutou por sua vida sem perder a alma.
Howard Schultz.

"Schultz ama café, mas sua grande paixão é criar um ambiente de trabalho que faça as pessoas se sentirem bem e uma cultura que recompensa os serviços de atendimento mais excepcionais. Há uma diferença entre o produto que você vende e o que esse produto representa. Schultz nos lembra que paixão é tudo." (Carmine Gallo, especialista em técnicas de comunicação, autor do livro "Inovação - a arte de Steve Jobs".)

6 - O fim do marketing como nós conhecemos.
Sérgio Zyman.

"De uma forma ácida, clara e contundente, Zyman conta em detalhes o case da New Coke, outros vários erros (que ele nunca assume) e traz conceitos super interessantes de como lidar com marketing, vendas, branding, pessoas, etc." (Marcos Hiller, coord. MBA Gestão de Marcas da Trevisan Escola de Negócios.)

O próprio Simão, junto aos colegas da redação do site, sugere mais dois títulos.

7 - Estratégia Competitiva.
Michael Porter.

Lançado nos anos 1980, ajutou a colocar Porter definitivamente como um dos maiores pensadores da gestão no mundo. É a base dos estudos que compõem outras duas obras dele - Vantagem Competitiva e Vantagem competitiva das nações.

8 - Safari de Estratégia.
Henry Mintzberg.

Um livro que reúne os principais estudos de estratégia já feitos no mundo, desde a Antiguidade até hoje. Uma obra que foge das tradicionais receitas de bolo, sem deixar de ser didática.

Outros dois livros foram citados pelos leitores do site.

9 - A Arte da Guerra.
Sun Tzu.

Um tratado militar do século IV a.C. sobre estratégia, que influenciou diversos líderes ao longo da história, e até hoje seus preceitos se mantêm no mundo atual.

10 - O Monge e o Executivo.
James C. Hunter.

Esse livro utiliza como gancho um encontro entre líderes de diversos segmentos em um mosteiro no norte de Michigan, e aborda o tema "liderança" sob a perspectiva do líder servidor.

A lista então fica assim:


- Vantagem competitiva das nações - Michael Porter.
- Blink: a decisão num piscar de olhos - Malcolm Gladwell.
- Quem pensa, enriquece - Napoleon Hill.
- Como fazer amigos e influenciar pessoas - Dale Carnegie.
- Em frente! - Como a Starbucks lutou por sua vida sem perder a alma - Howard Schultz.
- O fim do marketing como nós conhecemos - Sérgio Zyman.
- Estratégia Competitiva - Michael Porter.
- Safari de Estratégia - Henry Mintzberg.
- A Arte da Guerra - Sun Tzu.
- O Monge e o Executivo - James C. Hunter.

Ao final, ele ainda coloca a questão de não haver qualquer livro do maior pensador da administração, Peter Drucker. Bem, para ele, esse autor é leitura obrigatória.

Para ver a coluna original, clique no link abaixo.


Você pode deixar seu comentário depois do bip.

Bip.

domingo, 29 de abril de 2012

Do livro ao vídeo - Palavras de Sabedoria do Cerbasi.



Gustavo Cerbasi é hoje um dos maiores consultores de finanças pessoais do Brasil.

Reconhecido por livros como Casais Inteligentes Enriquecem Juntos, Investimentos Inteligentes e Mais Tempo, Mais Dinheiro (em parceria com Christian Barbosa), o cara fala a língua da gente.

Resenha do livro Investimentos Inteligentes.
Resenha do livro Mais Tempo, Mais dinheiro.

Ele é formado há apenas 10 anos, e já conquistou a própria independência financeira. Em 2009, chegou a ser eleito uma das 100 pessoas mais influentes do país.

Cerbasi e o professor Marcos Silvestre, da Band News FM, são meus favoritos no assunto. E além dos livros,  vi que no site do Itaú o Cerbasi tem um espaço muito interessante.

São as Palavras de Sabedoria. Pequenas pílulas de até 3 minutos, que podem ser vistas no youtube ou  no site do Itaú. Basta clicar aqui.

Abaixo, selecionei alguns vídeos dele - os meus favoritos.

Acredite: assistir a uma pílula dessas por dia já te fará repensar o que fazer com seu dinheiro.

Títulos do tesouro direto. Investir no Brasil pode ser uma boa.

Seu perfil de investidor: Conservador, moderado ou arrojado?

Construindo sua independência financeira.


E aí, gostou? Para mais, acesse o site do Itaú. Basta clicar aqui. Ou o canal das Pílulas de Sabedoria no Youtube, aqui.

Se preferir os livros, veja as resenhas dos dois livros dele na Biblioteca do Masca.


Aproveite e deixe seu comentário depois do bip.

Bip.

sábado, 28 de abril de 2012

Livros de administração - família Freakonomics - parte 3

E aqui a terceira parte sobre livros relacionados - de alguma forma - ao best-seller Freakonomics, de Stephen Dubner e Steven Levitt.

Digo "de alguma forma" porque muitos tentam falar de áreas diferentes com as mesmas ideias. Alguns usam o nome, como forma de vender mesmo.

Independente disso, seguem os links para as duas primeiras partes.


Agora, os três últimos que encontrei. Se você souber de mais algum, deixe um comentário lá embaixo.

(Textos adaptados dos sites saraiva.com.br e submarino.com.br)


Womenomics - A tendência econômica por trás do sucesso pessoal e profissional das mulheres.
Claire Shipman & Katty Kay.

O livro aponta que, depois de décadas de tentativas de se equipararem aos homens no âmbito profissional, durante as décadas de 1980 e 1990, agora elas começam a adaptar o ambiente de trabalho às necessidades delas. As autoras examinam a profundidade da influência feminina como consumidoras e detentoras de capital. Sustentam a ideia de que o poder feminino dá às mulheres o direito e a habilidade de requerer flexibilidade nos empregos delas. Além de negociarem efetivamente as próprias necessidades no mercado de trabalho ou na família.



Emotionomics - Por que o sentimento dos clientes pela sua marca determina o sucesso de seu negócio.
Dan Hill.

Emotionomics foi o último livro dessa família que eu vi. Se propõe a ajudá-lo a entender como as emoções de clientes e funcionários podem fazer a diferença em termos de oportunidades de negócios num mercado competitivo. O livro se inspira em descobertas feitas com base nas expressões faciais, para se perceber as reações emocionais. O autor se propõe a ensinar como alavancar o sentimento para obter sucesso em termos de marca, design do produto, publicidade, vendas, satisfação, e liderança.



Soccernomics - Por que a Inglaterra perde, o Brasil e a Alemanha ganham, e os Estados Unidos, o Japão, a Austrália, a Turquia - e até mesmo o Iraque - podem se tornar os reis do esporte mais popular do mundo.
Simon Kuper & Stefan Szymanski.

O livro tem sido aclamado como uma das mais reveladoras obras sobre futebol. E também como equivalente na área ao Freakonomics. Na obra, também são aplicados princípios socioeconômicos na explicação de fenômenos cotidianos do mundo da bola. A dupla Kuper - jornalista da área - e Szymanski - economista - apresenta dados espantosos sobre algumas das verdades do futebol - algumas delas expressas no enorme subtítulo.


E aí, se interessou por algum?

Aproveite e deixe seu comentário, ou a sua sugestão para a próxima sessão Livros da Biblioteca do Masca.

Depois do bip, ok?

Bip.

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Livro de negócios - O estilo Richard Branson de gerir.

Richard Branson não é dos empreendedores mais convencionais que existem. Na verdade, ele define bem aquela frase de que "ricos não são loucos, são excêntricos."

Jogada de marketing ou estilo de vida, Branson se destaca principalmente pelas propostas ousadas. E pelas situações pouco convencionais em que é visto.

Ao lançar sua marca, a Virgin, numa equipe de Fórmula 1 na temporada 2010, fez uma aposta. Propôs a Tony Fernandes, que como ele é dono de companhia aérea e de equipe de F-1, que o carro que terminasse mais atrás no grid geraria uma punição ao dono.

O perdedor teria que servir o rival num voo, vestido de mulher. Branson perdeu.

Se por um lado, parece uma atitude engraçada, que chama a atenção, esse jeito Branson de ser faz com que os menos atentos percam o que esse cara tem de melhor.

Sua ambição. Sua obstinação por resultados. Sua incrível capacidade de negociar até esgotar as possibilidades. E evitar a todo custo um prejuízo.

É nesses temas que se foca o escritor Des Dearlove, ao pesquisar a vida do excêntrico milionário - e as realizações dele, no livro O Estilo Richard Branson de gerir (Business the Richard Branson way, 1999).

Lançado como parte de uma coleção pela editora Gente no Brasil, esse livro não se propõe a ser uma biografia de Branson. E sim, um manual de lições sobre a carreira desse incansável empreendedor.

Para quem não sabe, Branson começa com uma gravadora - a Virgin Records - que distribuia discos por correio.

Daí, ele partiu para revolucionar a aviação comercial. Reinventou o transporte ferroviário. Chegou a desafiar a Coca-Cola. Bateu o recorde de travessia mais rápida do oceano Atlântico pelo mar. E se prepara para ir ao espaço com a empresa dele, a Virgin Galactic.

Por esse livro, entendemos formas de como Branson age. A forma com que provoca os grandes, e chega a incomodá-los de verdade. O jeito de agitador inconformado, que sempre busca algo melhor, e encanta.

O jeito negociador, sempre barganhando. A forma de reunir os funcionários e fazê-los se divertir enquanto trabalham, mesmo com baixa remuneração. 


O cuidado com sua marca. Sorriso para a câmera é fundamental. A capacidade de buscar o melhor dos indivíduos, ainda que nem todos o sigam cegamente. E a ação rápida e eficaz.


Pra terminar, a simplificação como parte fundamental  do processo. E nunca deixar seu toque pessoal de lado.

Por esse livro, dá pra aprender um bocado sobre o cara. Fez até com que eu comprasse outro livro - Richard Branson Virgin King, de Tim Jackson, a biografia do sujeito.

Em outros posts explicitarei melhor a maneira Branson de gerir. Lições à vista, amigos.

Se você curtiu o livro ou o post, deixe seu comentário, crítica ou sugestão. Depois do bip, tá?

Bip.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Do livro ao vídeo - marketing para salvar as árvores.


Uma forma interessante de chamar a atenção do mundo para salvar o planeta. Com marketing de guerrilha.

A ONG Oroverde recrutou parceiros bem interessantes para dar o recado. Salvem as irmãs das árvores.

A dica é da Celine Ramos, do blog postitcriativo.com.br . Vale a pena dar uma olhada, e depois, nos artigos do blog dela.

O que acharam? Deixe seu comentário. Se tiver sugestões do seu blog também, a Biblioteca do Masca aceita, e dá todos os créditos pra você.

Basta postar sua sugestão depois do bip.

Bip.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Livros de administração - família Freakonomics - parte 2

Agora, a segunda parte. Com os livros Wikinomics, Socialnomics e Freedomnomics.

Lembro que nenhum deles é dos autores originais. Meio que "surfaram" na onda gerada pelo original. Mas com conteúdos diferentes.



Freedomnomics - Por que o livro comércio funciona e pode resgatar a economia mundial.
John R. Lott Jr.

No livro, Lott Jr. tenta desmistificar o best-seller Freakonomics. Para ele, o sucesso de Steven Levitt e Stephen Dubner seria um panfleto cheio de imprecisões. Lott Jr. Então decide colocar os "pingos nos is" na defesa do livre comércio como sendo a única receita provada para a geração de riqueza e progresso. Além disso, mostra como a livre iniciativa revela o mais criativo aspecto de nossa sociedade. Para ele, os esforços para constranger a liberdade econômica apenas aumentam a pobreza e a injustiça.



Socialnomics - Como as mídias sociais estão transformando a forma como vivemos e fazemos negócios.
Erik Qualman.

Ao pegar carona no sucesso dos títulos Freakonomics, o autor mostra nesse livro as principais características das redes sociais na internet. Ele desenvolve métodos de como transformá-las em uma oportunidade para a sua empresa. Apresenta ainda um panorama sobre a maneira como os negócios se relacionam com as mídias sociais para aumentar as vendas. Bem como cortar custos de marketing e ter uma comunicação mais direta com os consumidores.



Wikinomics - Como a colanoração em massa pode mudar o seu negócio.
Don Tapscott & Anthony D. Willians.

O livro mostra, com abordagem simples, que a humanidade começa a entrar num segundo estágio da chamada Revolução da Informação. Que promete mudar o conceito de uma economia e de uma sociedade hierarquizada, e há séculos montada com base em estruturas de poder. Elas começam a ser mudadas, por causa das velocidades cada vez maiores de conexão da internet, que dão mais poder às pessoas. Principalmente na hora de interferir nos processos de produção do conhecimento - como as "wikis", verbetes construídos e reconstruídos coletivamente na web - e de consumo.


E então, qual o seu preferido? Ah, se souber de mais algum dessa família, pode me avisar, por favor.

Para isso, basta deixar um comentário depois do bip.

Bip.

terça-feira, 24 de abril de 2012

Lições para um dom (CEO, diretor geral da máfia)

"Ele precisa ser um administrador, um juiz, um político, um diplomata, um general e um homem de negócios"(John H Davis, em Mafia Dinasty: the rise and the fall of the Gambino crime family. Nova York, 1994)

E aqui está a parte final das lições do livro O Poderoso Chefão Corporativo, de Louis Ferrante.

Para ver a resenha do livro, clique aqui.
Para a parte 1 das lições, clique aqui.
Parte 2, lições para um funcionário da máfia, aqui.
Parte 3, ensinamentos para os subgerentes (conhecidos como capos), clique aqui.

Aqui, você aprenderá a ser um Dom Corleone...



... Do mundo dos negócios. Vamos lá.

(Em itálico e "entre aspas", comentários de Ferrante; em negrito, os meus tópicos favoritos.)


Lições para um dom (chefe).

1. Controlar a ambição: um chefe precisa saber quando acelerar e quando brecar no negócio.
2. Amigos, amigos; negócios à parte. Saiba quando dizer não, mesmo aos amigos.
3. Avalie e corte os custos gerais - cada centavo conta no negócio.
4. Política de portas abertas. Você saberá das bobagens do escritório, e receberá os funcionários com boas ideias.
5. Considere as interrupções como válidas. Dali, podem vir boas e diferentes sugestões.
6. Tenha sempre um plano de contingência à mão.
7. Você pode não pegar o maior contrato, mas há sempre uma forma de ganhar dinheiro em algum negócio. Pense diferente e descubra novos caminhos.
8. Fraudar a Receita Federal e os impostos pode ser um problema muito maior no futuro.
9. Em uma crise? Aja rapidamente, prepare seu relações públicas, empregue diplomacia agressiva e trabalhe para ganhar apoio junto ao seu público e funcionários.
10. Vale a pena criar um clube de elite - um círculo dos melhores dentro do seu negócio e fechá-lo, para atrair mais interessados.
11. Ofereça chances a excluídos. Não tenha preconceito quanto a raça, credo ou orientação sexual - sob pena de perder um excelente profissional.
12. Não aceite hospitalidade como algo natural e obrigatório. Agradeça sempre e seja também hospitaleiro.
13. "Tenha compaixão pelos miseráveis." Caridade hoje pode te ajudar no futuro.
14. "Comer, beber e ser produtivo: a única propina que aconselho a dar." As vezes vale a pena pagar o jantar.
15. Participe! Coloque a mão na massa quando necessário, visite ou esteja em seu negócio, e trabalhe junto de seus funcionários.
16. "O valente tem bolas. O inteligente, bolas de cristal." Pressentimento e raciocínio ajudam antes de agir.
17. Nunca subestime seu adversário.
18. Saiba identificar e conheça muito bem seus adversários e as táticas deles.
19. "Não atire em um astro em ascensão." Faça dele seu aliado. Você pode ganhar muito mais no futuro.
20. Se você não gosta de alguém, não deixe de fazer negócios com ele só por isso. Separe os lucros de seus julgamentos.
21. Tenha e escolha bem um conselheiro.
22. Nunca faça ofertas ou compre alguma coisa só porque outro quer comprar.
23. Mantenha-se a par da concorrência, ouvindo o que alguns de lá têm a falar..
24. Guarde algum dinheiro em espécie, ou com fácil liquidez, para emergências.
25. A pobreza só é ruim quando não é usada como motivação para crescer.
26. Pense em franquias para expandir seu negócio.
27. Seja um bom chefe, e faça seus funcionários gostarem de você. Não pela força, sim pela confiança e admiração.
28. Faça o que sabe, e lide com o que conhece. Cuidado com aventuras em áreas onde você não domina.
29. Nem sempre seu filho será como você. Cuidado ao fazer dele seu sucessor.
30. "Subir até o topo pode demorar anos, mas custa menos de um minuto pra cair."

E então, o que achou? Aproveite para deixar seu comentário depois do bip.

Bip.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Livros de administração - família Freakonomics.

Assim como visto na série Pai Rico, Pai Pobre, um livro pode inspirar outros. Sobre assuntos semelhantes. Ou nem tanto. Com autores diferentes. Ou os mesmos.

Enfim, é sempre uma oportunidade de fazer um dinheiro - ou de lançar conteúdo relevante, a depender do caso.

Trago agora os livros da família Freakonomics. Ao todo, verifiquei que existem 8 livros - incluindo os dois originais, Freak e Superfreakonomics.

(Caso você saiba de mais algum, basta deixar um comentário lá embaixo.)

Aqui vão os dois primeiros - os originais, de Stephen J. Dubner e Steven D. Levitt. Textos e imagens adaptados dos sites saraiva.com.br e submarino.com.br.



Freakonomics - O lado oculto e inesperado de tudo o que nos afeta.

O livro traz estudos sobre a rotina e os enigmas da vida real. Da trapaça à criminalidade, dos esportes à criação dos filhos. As conclusões viram de cabeça para baixo o senso comum, com dados que parecem inofensivos, mas que instigam perguntas nunca antes feitas. Surge um novo campo de estudo, e o que liga essas histórias é a crença de que o mundo moderno, aparentemente confuso e complicado, não é impenetráfel nem indecifrável. Basta fazer as perguntas certas e pode-se ver as coisas de maneira clara. Uma forma diferente de se observar a nossa sociedade.






Superfreakonomics - O lado oculto do dia a dia.

O livro traz novos insights dos escritores. Depois do primeiro volume de 2005, que chegava a mudar a nossa compreensão de como o mundo funciona e de como nossas decisões são tomadas, esse novo livro traz novas observações sobre a nossa sociedade. Trata-se de um segundo volume feito à moda do primeiro, apenas com novas histórias. Mas sem o "elemento-supresa" que ajudou a popularizar ainda mais o primeiro volume.



Na segunda parte, trarei outros três livros, de autores diferentes, relacionados ao assunto. Fique ligado e acompanhe a Biblioteca do Masca.

Aproveite e deixe seu comentário sobre esses dois livros de negócios depois do bip.

Bip.

domingo, 22 de abril de 2012

Do livro ao vídeo - campanhas de marketing Coca-cola.

Não é de hoje que os caras da Coca-cola fazem dela uma das marcas mais lembradas do mundo. 

E quando a gente vê campanhas como essas aqui, dá pra entender que são boas ideias e muito trabalho - mais até do que dinheiro.

Veja por exemplo essa, dica da mercadóloga e gestora da empresa Carballo Faro, Gisele Padovan. Uma campanha realizada na Austrália.


A ideia é inserir jovens australianos, depois que uma campanha descobriu que 50% deles nunca tinham provado uma Coca-cola. Então, que tal fazer eles se refletirem no produto?

Bastava colocar o nome nos rótulos, e chamá-los para protagonizar a campanha de marketing da empresa. Os resultados, como o vídeo mostram, foram surpreendentes.

Assim como os da máquina da amizade abaixo, o meu favorito.


Campanha simples, mas com significado profundo. Uma máquina gigante permitia que as pessoas pagassem por uma, e levassem duas Cocas. 

Mas, para isso, precisariam se ajudar. "Dar pezinho", erguer o outro, até alcançar o botão. E aí está o significado do nome friendship machine, ou máquina da amizade.

Resultados: 800 refrigerantes vendidos em 9 hores - mais de 1000% a mais que numa máquina normal. Isso em 7 países onde ela foi instalada.

A Coca-cola inova. E cria campanhas sensacionais. Sem deixar de ser o que é, e marcando os corações das pessoas.

Quer outro exemplo? 


A propósito, aproveite e deixe sua opinião. Com um comentário, depois do bip.

Bip.

sábado, 21 de abril de 2012

Lições para um capo (diretor) da máfia - O Poderoso Chefão Corporativo.

Parte 3 das lições do livro de Louis Ferrante - O Poderoso Chefão Corporativo. Agora, como um diretor deve se comportar. Dentro ou fora da máfia.

Para ver as duas partes anteriores, e a resenha do livro, clique nos links abaixo.

Lições aprendidas com o livro - parte 1
Lições parte 2 - como ser um soldado.

(Lembro que aquelas em negrito e sublinhadas são as que eu considero mais importantes. As frases "entre aspas" são citações do próprio Ferrante.)



LIÇÕES PARA UM CAPO (DIRETOR)

1. Seu pessoal é responsabilidade sua - você vai responder pelo que eles fizerem.
2. Com liderança forte e motivadora, seus subordinados irão com você até o inferno.
3. Resolva os problemas entre aqueles sob seu comando antes que fuja de controle, com justiça.
4. Levar bala pelo chefe? "Compare os benefícios de longo prazo com os sacrifícios de curto prazo".
5. Fortalecer os laços com os colegas - com o devido comportamento - é fundamental para o progresso do negócio.
6. "A máfia nunca mata uma boa ideia". Pense e encoraje os outros a pensar e buscar soluções.
7. Quando se recebe um ultimato, as vezes a única saída é contar com a sorte. Aposte nela, e em você.
8. "Nos negócios, bem como na vida, é importante saber que mesmo inimigos jurados podem resolver as diferenças e prosperar juntos".
9. Se precisar demitir, pense na possibilidade de ter o trabalhador de volta, se for para melhorar o negócio.
10. "Se alguém pisar na bola, corrija-o em particular".
11. "Mantenha-se atualizado", "ideias novas surgem todos os dias".
12. "Baixe a bola". Você é um capo, não um dom.
13. "Um supervisor ou gerente deve avaliar o potencial dos empregados e depois tirá-los de sua zona de conforto". Delegue responsabilidades e crie confiança.
14. Aja de maneira rápida e decisiva no mundo dos negócios, para quebrar a concorrência.
15. Existe mais de uma forma de fazer o serviço. Seja flexível e deixe que a pessoa resolva, ainda que do jeito dela.
16."Aprenda a distinguir os problemas reais que precisam de atenção daqueles que são insignificantes."
17. Trate a todos com respeito. Nada de "você sabe com quem está falando?"
18. "Você já se perguntou como é visto pelos outros?" Vale a pena refletir sobre isso.
19. "Pule de galho em galho e esteja certo de que vai cair". Traição, mudar alianças, não é bom.
20. Linguagem corporal: "não acredite nas palavras se o corpo está dizendo outra coisa".
21. "Cumpra o prometido e defenda seu nome".
22. Pondere sobre as coias sempre, e evite ser enganado por espertalhões.
23. Seja leal com seu pessoal e defenda-os.
24. Tirar férias pode ajudar a pensar. Renove-se de vez em quando.
25. "Não se divida ao meio: uma decisão errada é melhor do que nenhuma".
26. "As grandes conquistas são a soma de diversas conquistas de curto prazo, executadas com vistas ao grande prêmio."
27. Aprenda com a história, e evite erros.
28. Se for sair da companhia, "faça isso com tato. Não crie inimigos."

Aproveite e deixe seu comentário depois do bip.

Bip.

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Do livro ao vídeo - marketing de guerrilha do Cupombook.

Esse é um vídeo que mostra uma ação com recursos fundamentais do marketing de guerrilha, como a velocidade dos participantes da ação.



Em um momento, um rapaz chega a deixar o livro em uma mesa de outras pessoas, enquanto amarra o sapato, e em seguida sai rapidamente. Ou quando o livro é deixado numa prateleira junto a outros produtos.

Óbvio que a promoção, ou a mensagem de gratuidade do livro, vinha na frente. Colorida, chamou a atenção.

Marketing de guerrilha essencialmente é isso. Uma maneira inteligente - as vezes diferente - de passar a mensagem, ou o produto.

Por isso, esse vídeo está aqui. Confira e deixe sua opinião, depois do bip.

Bip.

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Do livro ao link - 7 hábitos das pessoas altamente produtivas.


Encontrei um link interessante, com um material de fotos da Camila Lam, colunista da revista Exame.

Ela aponta sete hábitos das pessoas que conseguem produzir bastante. Ou seja, aqueles que conseguem fazer as escolhas certas, concluir tarefas e ainda inovar.

Vão aqui os sete hábitos pontuados por ela. Se você já pratica alguns deles, ótimo. Se não, talvez seja o momento de reavaliar sua carreira.

O que estiver (entre parêntesis) é uma opinião pessoal minha.

1. Estabeleça critérios e saiba dizer não. - Topar todas as tarefas leva você a gastar energia, tempo e atenção. Além disso, não quer dizer que seu chefe vai te valorizar mais por isso. Mas com certeza você será cobrado por aquilo que assumir. É preciso discernir o que dá para fazer, é importante e não vai comprometer as demais atividades.

2. Tenha objetivos pessoais e profissionais estabelecidos (e de preferência por escrito). - Saber onde se quer chegar. E que o caminho pode ser longo, e feito de pequenas, mas importantes, ações. Isso faz com que você consiga produzir mais e melhor na vida pessoal e na profissional.

3. Planeje o que precisa ser feito todos os dias. - Antes da semana seguinte começar, analise e planeje suas ações e as necessidades do novo ciclo de sete dias. Ao final de um dia, também é bom gastar pelo menos dez minutos para avalar o que foi feito, e o que está pendente.

4. Acesse o e-mail periodicamente (mas separe o joio do trigo) - Determine horários para ver a caixa de e-mails. E regras para limpá-la, e separar o que interessa do que é lixo. Não tenha pena de apagar mensagens já ultrapassadas. Só guarde aquilo que for essencial - se for o caso em pastas diferentes.

5. Evite ser multitarefa. - Seja preciso no seu trabalho. Dedique-se com mais atenção a uma coisa de cada vez. É melhor do que fazer várias coisas, e nenhuma delas com a qualidade máxima que você pode dar.

6. Adote intervalos. - Trabalhar sem parar não quer dizer que você é produtivo. Estabeleça pausas de cinco a dez minutos. Mas cumpra o horário, e evite atrasos. De preferência, saia do seu ambiente de trabalho nos intervalos. Como forma de relaxar a mente.

7. Cuide da sua saúde. - Trabalhar muito não é desculpa para deixar de praticar uma atividade física. Ou de se alimentar relativamente bem. Ou ainda, de não dormir à noite. Se seu corpo não funcionar bem, o cansaço será maior depois das atividades no trabalho.


Para mais informações, leia o livro Mais Tempo Mais Dinheiro, de Christian Barbosa e Gustavo Cerbasi. Barbosa é especialista em aproveitamento do tempo. E tem dicas importantes.


Aproveite e comente depois do bip.

Bip.

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Lições para um soldado da máfia - Poderoso chefão corporativo p.2


Vamos à segunda parte das lições aprendidas com o ex-mafioso Louis Ferrante, para o mundo dos negócios.

Aqui, as lições para um funcionário comum - o popular "chão de fábrica". Conhecido na máfia como soldado. 

Os trechos "entre aspas" são de expressões do livro. Em negrito e sublinhado, os meus favoritos.

Lições para um SOLDADO.

1- Para entrar em um negócio, faça contato com pessoas, mostre ambição, dinamismo, e que você é empreendedor. Todo mundo quer um bom investimento - que pode ser você. Busque!
2 - Mantenha os princípios do negócio acima de tudo, porque é nisso que seu chefe se guiará.
3 - "Ame o que faz, e nunca precisará trabalhar um dia sequer na vida".
4 - Valores genuínos podem impulsionar o seu negócio.
5 - Aguce a memória, já que nem tudo pode ir para o papel.
6 - "Evite disputas políticas dentro do escritório". É preciso saber a hora de se calar.
7 - Seja digno de confiança, mas cuidado a quem você jura lealdade. "Um segredo entre três só existe se dois estiverem mortos".
8 - "Cuidado com a ganância". Ela pode prejudicar seu pensamento no desenvolvimento dos produtos (a história do frango congelado, que levava mais água que o permitido).
9 - Parcerias são fundamentais, e já faziam a diferença no mundo muito antes das redes sociais.
10 - Paixão, colocar o coração naquilo que faz. Por isso os mafiosos amam o que Frank Sinatra fazia.
11 - "Observe seu ambiente de negócios em busca de lucros não identificados - serviços para os quais os outros torcem o nariz". E transforme "lixo em ouro".
12 - Trabalhe muito, mas não se envolva com os bens e pessoas do chefe e colegas de trabalho. É a forma mais fácil de fazer inimigos.
13 - "As paredes têm ouvidos". Nunca fale mal do chefe.
14 - Quem fala bem, se destaca. Tenha habilidade verbal e pratique a oratória.
15 - Conte consigo mesmo acima de tudo, e nunca será traído.
16 - "Trabalhe duro, pense grande". E assim, faça sua própria sorte.
17 - Um bom círculo de favores pode te ajudar nas horas em que você mais precisa.
18 - Dissimular a inteligência e esconder as ambições pode te ajudar a sobreviver até conquistar seus objetivos.
19 - A escola da vida ensina tanto ou mais quanto qualquer universidade. Pratique!
20 - Cuidado com o que fala. Os telefones, e-mails e torpedos podem estar sendo grampeados.
21 - Respeite a cadeia de comando na base e cumpra no topo. "A alternativa é a anarquia".
22 - Sim, respeite o item anterior. Mas não banque o otário nem deixe montarem em você.
23 - Aceitar ordens, mesmo sabendo que são erradas, é ser tão corrupto quanto seu patrão. Saiba quando desafiá-las.
24 - Mantenha-se informado.
25 - Se você paga na hora e honra seus compromissos, todos vão querer fazer negócio com você.
26 - Nunca dê com a língua nos dentes.
27 - Baixe seu ego, admita erros e você dará um importante passo para seu crescimento pessoal.
28 - "Em tudo na vida, as maiores recompensas envolvem a paciência". Pratique.
29 - Pegue o que quiser de maneira lícita, seja agressivo - não rude.
30 - "Todos os erros que você cometeu ao longo da vida não foram erros, e sim, experiências. Lições."

Aproveite para ver a resenha do livro O Poderoso Chefão Corporativo aqui na Biblioteca do Masca. Basta clicar aqui.

Pode comentar agora. Depois do bip.

Bip.

terça-feira, 17 de abril de 2012

Curiosidades - Parei o livro no meio.

Todo bom livro a gente termina em uma tarde? Não exatamente. Pelo menos é o que eu acho.

Existem alguns livros de administração e negócios que eu mesmo não consigo terminar rápido. Porque quero fazer esquemas. Resumos. Ter algumas das frases da obra.

E não só para a parte de "Lições aprendidas" desse blog. E sim, pra guardar na memória.

Gosto de fazer isso com alguns livros específicos. Principalmente aqueles cujos conhecimentos pretendo adotar a curto e médio prazo.

É o caso do livro Monte uma Carteira Vencedora, de Charles S. Mizrahi. Estou parado nele em algumas partes meio complicadas.

Tudo porque quero aprender o máximo possível sobre o modelo de gestão de uma carteira de ações sob os preceitos de Warren Buffet. Só o maior investidor do mundo...

Como ele utiliza um modelo de análise fundamentalista, é preciso conhecer os termos e partes dos relatórios da empresa que devem ser lidos. E e aí que eu fico um pouco empacado...

A questão não é de complexidade. Nem de falta de know-how na área de contabilidade. 

Mas de analisar com maior profundidade o conteúdo. Ter condição de sintetizá-lo. E como vou aplicar.

Aliado a isso, falta tempo fora do meu horário livre do trabalho. Mas isso é uma outra história.

Por enquanto, fica essa necessidade de terminar a obra. Ou de começar outros. Pra vocês terem uma ideia, li dois outros livros enquanto fiquei empacado no de Mizrahi.

O Poderoso Chefão Corporativo e 10 maneiras de fracassar nos negócios.

Talvez essa seja uma boa solução. Se empacou em um livro, leia outro. Pode ser que seu cérebro prefira absorver um tipo diferente de conteúdo naquele momento.

Se você vive ou já passou por situação parecida, deixe seu comentário depois do bip.

Bip.

segunda-feira, 16 de abril de 2012

A foto do livro - Tufão lê Kafka

Achei que valia a pena colocar a foto abaixo - retirada do blog do Maurício Stycer (mauriciostycer.blogosfera.uol.com.br).


Tufão (Murilo Benício), ex-jogador e lendo Metamorfose, best-seller de Franz Kafka.

Lembro que me surpreendi quando, no Big Brother, alguns dos moradores da casa liam obras como Pai Rico, Pai Pobre - no caso, o galã Jonas.

Enfim, fica o registro de uma cena incomum. E você, sabe de mais alguma cena de novela em que um livro era lido? De preferência, de negócios.

Deixe um comentário. Depois do bip, sim?

Bip.

Lições - O Poderoso Chefão Corporativo.


Que o Louis Ferrante não mande seus homens para me pegar... Mas vamos às lições desse livro. São muitas, e pretendo resumí-las ao máximo.

Esse é um livro que vale a pena você tratar como um "guia dos curiosos". E ler um capítulo aleatório por dia. Claro, depois de já ter lido todos eles.

Vamos aos conselhos de Louis Ferrante em O Poderoso Chefão Corporativo. Se quiser ler a resenha do livro, clique aqui.

Organograma da máfia:

- DON - CEO, o "chefão".
- Subchefe - executivo-chefe de operações.
- Consigliere - espécie de conselheiro, ou consultor jurídico.
- Capos - diretores
- Soldados - "chão de fábrica", cumprem a maior parte das ordens.

Visões de Ferrante do mundo:

"Depois de reavaliar minha visão de sociedade 'legal', descobri que minha nova turma era muito parecida com a velha (a máfia), menos violenta, mas, às vezes, mais astuciosa" (p. 17)

"Em toda construção de Nova York, um milhão de pequenas corrupções acontecem por trás do acúmulo de terra, todas elas dignas de manchetes. Porém, entre sussurros e entregas de envelopes, outro arranha-céu se ergue em Manhattan (...) em grande parte, pelo trabalho duro de imigrantes - sob a liderança secreta da Cosa Nostra (outro nome da máfia)" (p.31)

"Maquiavel nos orienta a ganhar e manter a supremacia recorrendo a todos os meios, mas diz que não existe nada como a justiça, a honra ou a integridade, e que a moralidade não deveria interferir nas negociações (...) Mas Maquiavel se esqueceu de abordar essa pequena questão chamada carma." (p.231)


"(...) eu mesmo tive um poder considerável nas mãos; minhas experiências provam que existem consequências indiscutíveis de nossos atos e ações. Ao omitir esse fato central, Maquiavel pode ser responsável pelas grandes fortunas de uma dúzia de homens e mulheres completamente alheios ao bem estar dos outros (...)" (p.231)


" Seja um rolinho de primavera. Tenha metas verdadeiras. Trate as pessoas com dignidade. E lute para fazer do mundo um lugar melhor. Garanto que é possível fazer isso e ficar rico ao mesmo tempo, pois a riqueza sem sabedoria não serve para nada" (p. 232)

Apresentarei as lições do livro em três partes - para soldado, capo e don. Como Ferrante faz na divisão dos capítulos.

E aí, o que achou? Aproveite e deixe seu comentário depois do bip.

Bip.

domingo, 15 de abril de 2012

Do livro ao vídeo - Marca de água invade praia.


No vídeo acima, uma ação de guerrilha que não se destaca tanto pela inteligência, ou inovação.

Tá, pela inovação também. Mas principalmente pela surpresa.

Imagine tomar seu banho de mar, e ver a praia ser invadida... Por um veículo de guerra vindo do mar?

Que, do nada, começa uma festa no local, para promover uma marca de água no começo do verão?

E se você pensa que aconteceu no Brasil, nem. Foi em Amsterdam, na Holanda.

Nada como ter recursos. E um belo carro-tanque-com-DJ.

O que achou? Deixe seu comentário depois do bip-bip-b-b-bip (em remix).

Bip.

sábado, 14 de abril de 2012

Do livro ao link - 8 conselhos para trabalhar em casa.


A editora da revista Inc., Leigh Buchanan, redigiu oito dicas de como trabalhar em casa para o blog Papo de empreendedor, da revista Pequenas Empresas, Grandes Negócios.

Achei o tema interessante. Até porque, eu mesmo enquanto blogueiro faço a maior parte do trabalho de atualizações em casa.

Confira as oito dicas oferecidas por ela. Adaptei algumas, mas a essência e os créditos são todos da sra. Buchanan.

1 - A linguagem é importante. Nunca diga "trabalho em casa". E sim, "meu escritório é em casa". Soa mais profissional. E você sai da lista de parentes e amigos que poderiam vir a te pedir favores. Afinal, para eles, você está em casa.

2. Se vestir para o trabalho pode ajudar. Além de transmitir para você mesmo um aspecto mais sério, permite que você diferencie o momento de lazer do de trabalhar. Claro, varia de pessoa para pessoa. Mas tenha o cuidado de se trocar uma vez de dia ou de noite.

3. Fale com alguém do trabalho pelo menos uma vez ao dia. Melhor, converse com gerentes, para saber da situação geral. Silêncios constantes em casa podem ser relaxantes, mas massantes e até estressantes.

4. Faça coisas úteis durante as pausas. Pode ser lavar a roupa, varrer o chão, ou fazer um exercício. Em casa, a quantidade de pausas pode ser maior. Mas perder o foco pode atrapalhar seu rendimento.

5. Explique aos filhos para não incomodá-lo durante o trabalho. E vale para a família toda. Buchanan até recomenda que, em caso de insistência dos pequenos, seja duro(a) e diga que se não entregar o trabalho, vai perder o emprego e a família vai pra rua. (Radical? Bem, cada família tem seu jeito de agir...)

6. Lembre-se que alguns compromissos podem ser fora do seu horário preferido de trabalho. Portanto, é melhor se basear nos horários em que o mundo exige sua disponibilidade.

7. Tenha um aparelho de telefone só para o trabalho. Diferente daquele usado para e pela a família. Assim, você não corre o risco de uma pessoa desavisada atender. E fazer você passar por uma situação constrangedora.

8. Tenha uma boa cafeteira (se você gosta do pretinho). Vale também para o caso de você gostar de trabalhar durante as madrugadas. Mas cuidado para não exagerar - no trabalho e no café...

Eu aproveitaria para incluir mais dois, por minha conta e risco.

9. Tenha seu próprio terminal de trabalho. Ou um perfil no seu computador, ou até um notebook próprio pessoal. Assim você evita que outras pessoas de sua família tenham acesso a dados que só dizem respeito ao seu emprego. Ou pior, que elas deletem arquivos importantes sem querer.

10. Separe um espaço para ser seu home-office. Vai de cada um, mas você precisa ter um lugar onde irá se concentrar e cuidar de suas demandas. Sem ser perturbado, de preferência.

Espero que essas dicas lhe ajudem. Caso você tenha dúvidas, acesse o link abaixo.


Aproveite e comente essa postagem. Depois do bip.

Bip.

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Livro - O poderoso chefão corporativo

Sexta-feira 13. Dia de azar para alguns? 

Eu nasci em uma - no mês de julho de 1984. Para "comemorar" a data, vamos falar de vilões. A máfia.

Por mais que possa ser criticada pela matança que promove, a máfia é uma grande corporação. Não é a toa que é considerada o "crime organizado".

Dentro dela, existem estruturas hierárquicas - o soldado, o capo (gerente) e o don (CEO). Também se fatura muito dinheiro. Até porque ela está dentro de muitas grandes empresas, e até do governo.

Só que nela, existem códigos específicos de lealdade, confiança e família. Que mantêm as coisas em ordem, na medida do possível. E, claro, interesses.

Mas ao estudar a máfia, dá pra se ter uma ideia de como funciona uma organização de sucesso. Apesar de ser um poder paralelo, e que você está com sua cabeça sob risco, a máfia sobrevive.

Imagine então aprender com as palavras de um mafioso sobre como gerir um negócio? 

Essa é a proposta de Louis Ferrante, no livro O Poderoso Chefão Corporativo (Mob Rules: what the Mafia can teach the legitimate businessman, 2011).

Através de pequenos conselhos - 88 e mais alguns na introdução e conclusão - ele mostra como as coisas funcionam dentro da máfia. 

E como esses mesmos ensinamentos podem servir muito bem para gestão, liderança, negociação e planejamento.

As vezes, se chega às conclusões que Ferrante pretende apresentar antes mesmo delas aparecerem. Ao observar o contexto das histórias dentro da máfia.

Ferrante ficou preso por 12 anos. Dentro da cadeia, ele descobriu o prazer pela leitura. Seu grande ídolo parece ser Maquiavel. Com ele e outros autores, aprendeu a escrever.

Primeiro, lançou Unlocked (2009), onde conta os segredos por trás da maior organização criminosa da história. Afirma que nunca dedurou um companheiro. E modifica os nomes daqueles que correm risco.

Independente do código de ética dele, a verdade é que esse livro atrai por ser uma leitura simples e, ao mesmo tempo, esclarecedora em dois sentidos.

No primeiro, em conhecer histórias da máfia. Sempre cheias de curiosidades, e que encontramos paralelo na realidade brasileira. Seja nos morros e favelas, ou na política nacional.

Por outro lado, também satisfaz pelos ensinamentos do ponto de vista corporativo. Depois de ler esse livro, você terá mais atenção aos detalhes e diferenças que permeiam seu universo de trabalho.

Então, mãos ao livro. Se quiser comentar, faça isso depois do bip.

Bip.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Lições - 10 mandamentos para fracassar nos negócios.

O livro de Donald R. Keough, 10 mandamentos para fracassar nos negócios (resenha aqui), ajuda na sessão lições aprendidas, por dividir em 10 (na verdade, 11), os passos para se chegar ao fundo do poço.

Já que ele facilitou, vamos nessa. Lembro que o mandamento numerado está voltado para o fracasso. Já as observações foram pontuadas para evitar a espiral de queda de seu negócio.

1. Pare de correr riscos.
-  Uma situação estável não quer dizer falta de inquietação. 
- O líder precisa buscar por problemas e formas de ir além sempre.
-  O conforto com a situação pode levar ao declínio na atividade.

2. Seja inflexível.
- Não aceitar mudanças - de cenário, opções, mercado - é um caminho rumo ao fracasso.
- Os estúdios de Hollywood chegaram a duvidar que a TV seria o meio de comunicação mais presente na vida das pessoas. Imagine se mantivessem o que acreditavam?

3. Isole-se.
- "A maneira como os líderes de uma empresa se relacionam com os colaboradores importa muito."
- Boas notícias são interessantes, mas as más são melhores. Para se buscar a solução dos problemas, é preciso estar aberto a ouví-las, e não ignorá-las.

4. Acredite que é infalível.
- Não querer ouvir uma segunda opinião pode nublar sua visão para o que está bem à sua frente.
- A direção nem sempre "sabe-tudo". As realidades e contextos são diferentes, e um gerente ou observador mais próximo pode saber o melhor caminho.

5. Jogue próximo à linha do pênalti.
- Líderes começaram a alterar balanços e fraudar resultados, e poderiam ser pegos a qualquer momento.
- Se nos deixarmos iludir com a fama, passamos a fazer de tudo para obter resultados. Até fraudes.

6. Não pare pra pensar.
- Respostas instantâneas, quando não pensadas previamente, podem causar sérios estragos.
- Cuidado ao analisar dados. Eles podem mascarar a realidade.
- "Agir é fácil; pensar é difícil" (Goethe).

7. Confie cegamente nos especialistas e consultores externos.
- Eles nem sempre estão em sintonia ou comprometidos com os valores da empresa. Como podem decidir o que é melhor para o seu negócio?
- Quando for comprar um touro, observe o animal, não o homem que fala sobre ele.

8. Ame a burocracia.
- Instituições complexas criam cadeias de cargos, que estratificam e podem burocratizar excessivamente o serviço.
- Decisões e ações passam a ser dificultadas quando há burocracia em excesso.

9. Envie mensagens confusas.
- Comunicação dúbia pode gerar conflito e ações incorretas.
- Marketing: unificar a mensagem e transmiti-la com exatidão a todos os públicos (funcionários, fornecedores, clientes..).

10. Tenha medo do futuro.
- Malthus: teoria da falta de comida no futuro estimula os pessimistas.
- Medo do que pode acontecer não deve impedir o líder de agir.
- "Otimismo racional" é elemento fundamental para se chegar ao sucesso em seu ramo de atividade.

11. Perca a paixão pelo trabalho - pela vida.
- Criar um vínculo emocional com seus clientes, com suas marcas, com seus funcionários e com seus sonhos é fundamental. Sem motivação, não há interesse na luta diária.



E então, o que acharam? Opinem. Se puderem, leiam o livro. 

Para mais informações sobre o assunto, veja também Como as Gigantes Caem, de Jim Collins, e Oportunidades Disfarçadas, de Carlos Domingos. Para ver as resenhas desses livros, clique nos nomes deles acima.

Aproveite e deixe um comentário depois do bip.

Bip.

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Do livro ao vídeo - Marketing do sorriso da Brastemp

Uma ação pela felicidade. As vezes, uma marca pode ficar guardada na mente das pessoas por isso. E nesses casos, essa pode ser a melhor maneira.

Veja essa campanha da Brastemp. E entenda o que eu quis dizer.


Agora pode admitir. Não deu vontade de sorrir?

Os neurocientistas já devem ter estudado o poder que têm as "ações-reflexo" em nossas vidas.

Do tipo, quando sofremos um estímulo para sorrir ou ficar triste, o ambiente ao nosso redor, de alguma forma, absorve isso. Não sei bem explicar o porquê, mas deve haver alguma espécie de "efeito reflexo".

Enfim, o interessante mesmo é a campanha. Agora pode deixar seu comentário depois do bip.

(Espero que com muita felicidade).

Bip.