segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Curiosidades - Livros em quadrinhos.

Quando estava na Saraiva do Salvador Shopping, procurando novas aquisições, vi esse garoto aqui e fiquei impressionado.


Livro de negócios em quadrinhos? Já viu essa por aí? Juro que eu nem imaginava.

Uma novidade interessante, e que pode mexer com esse universo. Até porque, muita gente não aguenta as descrições e termos excessivamente técnicos de alguns autores.

E no que os quadrinhos podem ajudar? Veja você mesmo.


A grande vantagem dessa linguagem, eu acho, é aproximar muitos jovens investidores e empreendedores. Que leram, e ainda curtem, quadrinhos.

Além disso, com as ilustrações, fica mais fácil para algumas pessoas entenderem cada um dos processos explicados em livros como A Cauda Longa, onde o autor trata principalmente dos mercados de nicho.


Acho que é possível encontrar também outro best-seller, Pai rico pai pobre, em quadrinhos. 

Não sei se a moda pega. Mas se você considerar que esse também é um produto para um dos muitos nichos que a cauda longa proporciona, bem, é no mínimo atraente para o mercado.

Como eu, que amo quadrinhos. Da mesma forma que os livros de negócios.

O que você achou? Do post e dos livros em quadrinhos? Comente! Depois do bip, ok?

Bip.

domingo, 25 de dezembro de 2011

Vídeo - Marketing Carlsberg no cinema.

Ações de marketing inteligentes sempre merecem destaque aqui na Biblioteca do Masca. 

Nessa abaixo, que recebi no meu e-mail, a Carlsberg provoca casais para entrar em uma sala de cinema. Onde há apenas duas poltronas.

Até aí, tudo bem. Só que quando eles entram, descobrem que a companhia, para alguns, pode ser bem suspeita. Confiram abaixo!


Divertido é ver os mais engomadinhos decidindo se sentam ou não nas poltronas. Alguns desistem. E você? Desistiria do filme?

Aproveite para comentar essa ação de marketing da cerveja Carlsberg. Depois do bip.

Bip.

sábado, 24 de dezembro de 2011

Mensagem de natal.



Já é praxe falar de feliz natal. Mas o que podemos desejar de melhor nesse período do ano?

Abaixo, uma listinha de meus sinceros desejos a todos os meus contatos.

1) Que não haja nenhum vizinho com som ligado no último volume com pagode ou arrocha à 
meia noite...

2) ... Ou com o disco da Simone de natal.


3) Que quem te tirou no amigo secreto tenha lhe dado um presente realmente útil ou bacana... 


4) ... E que quem você tirou também goste da agenda ou do porta Cd que você vai dar.


5) Que a criançada não fique gritando o tempo todo bem no seu pé de ouvido...


6) ... Ou derrame refrigerante nas suas calças.


7) Que ninguém atrase ou chegue depois da meia noite, para não atrasar a ceia...


8) ... Até pra você não ter que ouvir aquele amigo mala por mais meia hora.


9) Que na hora de ir embora da casa do parente, não esteja chovendo.


10) E que se você ganhar na mega da virada, lembre de mim. Um milhão tá bom...


Beijos, abraços e feliz natal pra todos!



E leiam muito mais!

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Sugestões de natal - livros de planos de negócios.

Aqui tem mais algumas sugestões para aprender mais nesse natal. Esses são sobre planos de marketing e de negócios. Aproveitem e comentem também!

O segredo de Luísa - Fernando Dolabela

Um dos livros mais vendidos e procurados sobre o assunto. Dolabela conta a história de Luísa, uma moça que pretende iniciar o próprio negócio, para vender a goiabada que a tia produz. Enquanto narra as situações que a moça enfrenta, Dolabela deixa para os leitores os caminhos para construir um plano que contemple marketing, finanças, organização empresarial, entre outros assuntos.



Plano de Marketing - Éder Polizei.

Esse serve principalmente para quem sonha em ter um bar ou restaurante. O professor Eder Polizei - que inclusive deu aula na minha pós-graduação - traz aqui um plano de marketing detalhado de um bar, e mostra alguns dos caminhos para se construir um plano eficaz, não só de marketing. E que pode ser facilmente adaptado para outras áreas de interesse.




Plano de Negócios - José Dornelas

Mais completo ainda, Dornelas nesse livro (que considero um tanto caro, apesar do conhecimento aqui explícito) detalha ainda mais as possibilidades de se construir de maneira eficar um plano de negócios. O exemplo aqui é uma agência de turismo, com vistas à copa de 2014. Vale tanto para quem quer iniciar projetos voltados para a competição, e também, para outras áreas de interesse. Há inclusive espaço disponível para que o leitor deixe as ideias fluirem.


Por ora, essas são minhas sugestões para o assunto.

Depois, posto mais livros para um natal mais inteligente.

Se você tiver a sua, deixe registrada em um comentário aqui na Biblioteca. Depois do bip, please.

Bip.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Novas aquisições - Encantamento

Um livro que chega como um passe de mágica.


Encantamento, do guru Guy Kawasaki, tenta compreender esse fenômeno que produtos de empresas como a Apple e a Virgin causam nos clientes.

Além, é claro, de oferecer soluções interessantes para sua vida pessoal, profissional e sua empresa e produtos.

Já comecei a ler e é bem interessante. Guy é um cara com uma linguagem bem simples, e que adora fazer piadinhas no meio do livro.


Acho que vale a pena arriscar. Foi (um dos meus) presente(s) de natal. Eu para mim mesmo.

Se você já leu, gostou ou não da dica, deixe seu comentário depois do bip.

Bip.

sábado, 17 de dezembro de 2011

Sugestões para o natal - livros de empreendedorismo.


A Biblioteca do Masca em clima de natal. Afinal de contas, por que não presentear com um bom livro? Amigo secreto, pai, mãe. Pensem nisso. 

Aqui vão algumas sugestões - em diferentes situações. Claro, de livros de negócios. O tema em destaque é empreendedorismo.


Empreendedorismo / estratégia - A estratégia do Oceano azul - W.Chan Kim & Renee Maubourgne

O livro traz uma forma diferente de pensar a estratégia de entrada no mercado. Ao invés de bater de frente com os concorrentes, o ideal é procurar novos nichos, onde há mínima concorrência. Ao estudar essas brechas, existe uma possibilidade maior de se chegar ao crescimento.





Empreendedorismo na web - Vai Fundo! - Gary Vaynerchuk

O livro de Gary apresenta formas de como iniciar um negócio que use, como principal motor, você mesmo e a sua marca pessoal. Explorando as potencialidades que a internet oferece, principalmente as redes sociais. Veja a resenha do livro na Biblioteca do Masca clicando aqui.




Como gerir uma Start-up - A arte do começo - Guy Kawasaki

Os principais problemas para se abrir uma empresa. Falta de dinheiro, falta de pessoal, tudo isso pode ser resolvido. Com trabalho duro, e algumas dicas para conhecer e driblar os obstáculos. É isso que o guru Guy Kawasaki apresenta nesse best-seller. Para ver a resenha do livro na Biblioteca do Masca, clique aqui.





Empreendedorismo com poucos recursos - Empreenda (Quase) sem dinheiro - José Dornelas

Um livro excelente, simples e de leitura fácil. Que, basicamente, detalha formas de se obter verba para seu negócio e outros projetos, sem ter que depender de empréstimos nos bancos. Ou, se for necessário recorrer às financeiras, como fazer isso da maneira correta. Mas antes, acredite, existem várias outras formas. Veja a análise desse livro na Biblioteca do Masca clicando aqui.




As próximas dicas serão sobre livros de planos de negócios. Fique atento.

Se gostou, ou tem mais obras a sugerir, basta comentar no blog, depois do bip.

Bip.

Livros de negócios - A ideia é boa. E agora?

Fonte: maremmoto.com.br
Demorei tempo demais lendo esse livro. Mais de 3 semanas. Não tive vida fácil nesses dias. Mas não precisava exagerar.

Durante duas semanas, apresentei o programa de esportes Jogo Aberto Bahia. E por isso, fiquei atrasado no blog.

Minhas desculpas. Mesmo assim, comecei esse livro pensando uma coisa, e era outra.

Ao ver A ideia é boa. E agora? (Makking ideas happen, 2011), imaginei que o livro falava sobre como colocar em prática ideias paradas. Com formas de ação, procedimentos, entre outros assuntos.

Aí, abri o livro. Sim, ele trata disso. Da importância de se estabelecer diferenças entre seus itens de ação, referências e tópicos com potencial. 

De como os primeiros são fundamentais, os segundos, nem tanto, e os terceiros devem ser guardados para um futuro prático

De como enxergar cada atividade como um projeto auxilia o seu planejamento, e como se organizar é fundamental na realização de boas ideias.

Mas daí... Bom, daí, vem mais um livro que parece motivacional. 

Belsky elenca, além da organização e execução, outros dois elementos fundamentais para concretizar projetos. As forças da comunidade e a liderança.

E ele fala muito bem. Coloca os assuntos com exemplos, traz dicas importantes de como gerir mais essas duas forças.

Mas fiquei com um certo preconceito, depois que ouvi de várias pessoas que "livros de negócios mais parecem de auto-ajuda". Por causa de muitos elementos motivacionais.

A ideia é boa. E agora? não é um exemplo negativo nesse sentido. Só que minha pequena resistência às obras desse tipo nublaram meu pensamento.

Pra você ver como é importante não termos preconceitos ao abrir um livro. Muito menos, deixarmos de aproveitar importantes lições que alguns deles trazem.

O que pode ter me atrapalhado também foi ter sublinhado boa parte do livro no começo. Depois, desisti, e segui a viagem. Que aliás, é boa.

Ao ler esse livro, foque principalmente na primeira parte, sobre organização e execução. Muitas vezes, é isso que mais pega em nossos projetos. Porque temos a ideia, e deixamos outras aparecerem.

E acabarem atrapalhando a anterior...

Leia. E deixe seu comentário aqui, na  Biblioteca do Masca. Depois do bip.

Bip.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Novas aquisições - O fascinante império de Steve Jobs

Esse livro não saía da minha cabeça...


O fascinante império de Steve Jobs, do Michael Moritz, é ainda hoje considerado um dos melhores - se não o melhor - livro sobre o fundador da Apple e suas criações.

Fazia um tempo que eu queria ter o livro. Não o que tem o Jobs na capa, e sim esse, da maçã verde.

Só o preço complicava. R$39,90 nas melhores lojas.

Pois é. Peguei uma promoção e comprei por R$9,90.

As vezes é bom ser um pouquinho viciado em caçar esses descontos...



Se você já leu ou quer ler, deixe seu comentário depois do Bip.

Bip.


domingo, 11 de dezembro de 2011

Notícias - Receita vai criar malha fina para empresas.

Notícia que encontrei essa noite no site da Folha. Bem interessante, principalmente para os empresários que tentam burlar o fisco.

Confiram, e comentem. Boa semana a todos.

Receita vai criar malha fina para empresas

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1019802-receita-vai-criar-malha-fina-para-empresas.shtml

DA AGÊNCIA BRASIL, EM BRASÍLIA

DE SÃO PAULO


As pessoas jurídicas também terão a sua malha fina. A informação é do secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Barreto. A malha fina é o banco de dados do Fisco, onde são armazenadas as declarações que apresentam inconsistências após os diversos cruzamento realizados pelos sistemas informatizados do Fisco.

Hoje, já é possível, por exemplo, com dados das notas fiscais eletrônicas, cruzar informações sobre subfaturamento e omissão de receitas.

Sendo assim, é possível fazer auditorias eletrônicas, disse Barreto, por meio dos valores de compra e assim estimar as receitas do contribuinte. Se a Receita detectar irregularidades, a empresa será chamada a se regularizar.

"Se não fizer a regularização, sofrerá a ação fiscal. Os sistemas estão sendo finalizados e já têm capacidade de entrar em produção em 2012", disse.

A base do Sped (Sistema Público de Escrituração Digital) permite atualmente o acesso aos dados das empresas tanto pelo Fisco federal quanto pelos fiscos estaduais.

Mesmo com os convênios para a troca de dados com os estados, não é necessário nenhum tipo de solicitação da Receita Federal, porque com o Sped as informações estão disponíveis para todos.

"Assim como temos a malha da pessoa física, teremos a instituição da malha da pessoa jurídica dando maior abrangência à presença fiscal e alcançando todos os níveis de contribuintes. É importante notar que a malha consiste, sem ter a presença da fiscalização, do cruzamento de informações internas e externas", disse Barreto.

Barreto informou ainda que a fiscalização continuará, em 2012, voltada para os grandes contribuintes. Principalmente, os que fazem, segundo ele, planejamento tributário abusivo.

O planejamento tributário consiste em usar brechas na lei para reduzir o pagamento de impostos. "O foco vai ser os grandes contribuinte, principalmente, na fiscalização do planejamento tributário abusivo, mas ampliaremos, também, a atuação em todas as empresas, da malha da pessoa jurídica".

FIM DA DECLARAÇÃO


Segundo a Receita Federal, a previsão é que isso ocorra a partir de 2014 (referente aos ganhos de 2013), mas a data ainda está em estudo.

A declaração passará a ser previamente preenchida pela Receita e entregue a esses contribuintes, que confirmarão ou não as informações.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Livro - Empreenda (quase) sem dinheiro.

Fonte: livrariaresposta.com.br
Nunca fui um grande fã do José Dornelas. Primeiro, porque os livros dele são muito caros. Segundo, porque mutias vezes repetem o que vários outros já disseram.

Mas admito que esse aqui - ainda que seja um livro pequeno em tamanho - pode ajudar muito o jovem empreendedor.

Principalmente se ele não tiver grana.

Empreenda (quase) sem dinheiro (Ed. Saraiva, 2009) é como um pequeno guia, em 101 passos, de como você pode iniciar um negócio, sem recorrer no início aos empréstimos de bancos. Que deixam juros complicados para quem não se prepara. 

Como de costume ao falar para empreendedores, Dornelas deixa dicas importantes a quem quer se dedicar ao próprio negócio.

É bem comum o pessoal achar que abrir o próprio negócio será colocar pessoas para trabalhar para si, começar sem um mínimo planejamento financeiro ou experiência em contas matemáticas.

Dornelas deixa claro no livro que não é assim. Você precisa trabalhar, e muito, no começo do negócio. E ficar de olho no seu fluxo de caixa - o "rei" de toda a história.

Não adianta ter lucro, conseguir milhões de rendimento, se você não tiver um fluxo de caixa saudável. É ele que garante seu capital de giro no negócio. E é peça chave na engrenagem.

Quanto a questão de aquisição de recursos, sem necessariamente gastar tanto, ele apresenta alguns caminhos viáveis.

A permuta, uma espécie de "troca de favores", serviços por serviços, ou produtos por produtos. 

Por exemplo, você tem uma casa noturna, precisa de cadeiras, e em troca, pode oferecer divulgação e convites ao dono da loja de cadeiras. 

Outras alternativas são as chamadas fontes de dinheiro a fundo perdido - como recursos do governo. Aqui, você vai precisar de experiência para fazer projetos que se adequem a essas características.

Existem, claro, as opções de "paitrocínio" - ou de outros familiares, muito comuns em vários negócios. Ou, o que está na moda, os "investidores-anjo", que fazem o empréstimo, se associam e ainda oferecem auxílio logístico e empresarial.

Tudo isso antes de você se afundar em empréstimos bancários. Que, apesar das propagandas em larga escala na TV, acredite, não mudaram.

E se tiver que ir ao banco, negocie muito. Para obter o máximo de vantagens. Porque, afinal, as agências ainda querem seu dinheiro, para mantê-lo preso em dívidas eternas de juros sobre juros.

Quer comentar sobre esse livro, ou qualquer assunto da área, fique a vontade. Depois do bip.

Bip.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Novas aquisições - Know-how e O Mito do Empreendedor

Dois livros que adquiri com bons descontos.
















Know How, de Ram Charam, trata sobre liderança empresarial. O autor cita oito capacidades necessárias a quem pretende administrar bem um negócio. 

Tanto do ponto de vista de lucros e perdas, como na visão de recursos humanos, entre outros.

O Mito do Empreendedor, de Michael E. Gerber, um best-seller de empreendedorismo. Principalmente para aqueles que pretendem se planejar antes de abrir o próprio negócio.

Mas o mais legal dos dois é o desconto que consegui...

Know-how estava em uma prateleira com uma etiqueta de preço. 20 reais de desconto. O vendedor disse que isso não é feito na loja que comprei, mas estava lá, e ele nem discutiu.

Afinal, o código de defesa do consumidor alerta: Se o produto estiver com dois preços, vale o mais baixo ao consumidor.

Se foi piada de alguém ou não, foi bom conseguir o desconto.

Quanto a O Mito do Empreendedor, o desconto era de 5 reais para quem tem o cartão-fidelidade da loja. Sorte a minha.

Assim, cresce o leque de opções na biblioteca.
















Agora é só conseguir férias para ler todos esses grandes livros. E, claro, postá-los na biblioteca.

Comente sobre minhas novas aquisições. E sobre as suas também.

Aí embaixo, depois do bip.

Bip.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Biblioteca do Masca - novas redes.

Para quem acompanha a Biblioteca do Masca, tenho novidades.

Criei um grupo no Linkedin, para que possamos discutir ainda mais os assuntos que saem daqui. Principalmente considerando que tratamos de discussões de assuntos profissionais.

... Sempre abertos, é claro, a uma piadinha ou outra.

Além disso, criei um perfil no Flickr, com o álbum da Biblioteca. Agora, as fotos daqui podem ser acessadas lá também. Pretendo mudar um pouco o ambiente e tipo das fotos, e fazer umas artes. Quem viver, verá...

Se você tiver alguma foto ou imagem com seu livro favorito, que queira ver publicada, é só me mandar um e-mail. Escreva para bibliotecadomasca@gmail.com

Quanto às novas redes...

Biblioteca do Masca no Flickr: http://www.flickr.com/photos/71418709@N02/


Passe lá e dê uma curtida!

Para o twitter, siga o meu: @lucasmascavideo. Ou @bibliotecadomasca.

Esse é um espaço coletivo. Venha participar. Mande sua resenha, foto, sugestão.

Se quiser comentar, faça isso depois do Bip.

Bip.

domingo, 4 de dezembro de 2011

Curiosidades - Marketing da rivalidade no futebol

A dica vem do blog do jornalista Erich Betting. O cara se especializa em negócios do esporte. Inclusive é esse o nome do blog dele, para quem se interessar. http://negociosdoesporte.blogosfera.uol.com.br/

O destaque é uma ação de marketing da Coca-cola. Voltada para a rivalidade do futebol, e antes do principal clássico do futebol português, entre Benfica e Sporting.

Torcedores do Benfica - time patrocinado pela Coca-cola - iam à loja, e encontravam uma carteira com um bilhete do time rival. O que eles fariam?

Veja o vídeo e confira.


Um belo exemplo de como usar a rivalidade no futebol e fazer marketing.

Deixe sua opinião. Depois do bip.

Bip.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Revistas - Veja fala sobre empreendedorismo.

Fonte: revistaveja.com.br
Nem gosto muito da revista Veja. Por motivos particulares. Acho que eles, em alguns momentos, exageram na parcialidade política.

Nem por isso, deixo de reconhecer a importância do veículo. Principalmente a edição da última semana, que trouxe duas reportagens que me chamaram a atenção.

(Não, nem o filme dos Muppets, nem o livro do Boninho...)

A primeira, na capa, sobre empreendedorismo no Brasil. A segunda, do livro de Duncan Watts, Tudo é óbvio - Desde que você saiba a resposta.

Começo pelo livro. Bem interessante, para desmentir aquela história de que a intuição somente nos leva às melhores decisões.

Incrível como nos deixamos levar pelos nossos egos em nossas escolhas. Especialmente, no ambiente de trabalho. As evidências podem estar contra, mas negamos isso muitas vezes.

E isso me lembra Como as Gigantes caem (para ler mais sobre esse livro, clique aqui e aqui)

Claro que podemos estar certos. Steve Jobs, por exemplo, chegou a um ponto de acertar. Muito.

Para Watts, ele é a exceção... Embora muita gente prefira segui-lo. Mais sobre Jobs na biblioteca você encontra aqui e aqui.

Dá pra perceber que fiquei interessado no livro, e logo logo, vocês o verão aqui na Biblioteca.

A outra reportagem deixei por último, porque traz dez passos interessantes para os futuros empreendedores.

E como esse blog também tem como objetivo tratar desses assuntos, aqui estão eles. Ao lado, pequenos comentários meus.

1. Não tenha medo de assumir riscos. É claro, desde que estejam analisados, calculados, e que você possua contingências.

2. Não tente fazer tudo sozinho. Saber delegar também é função de um bom líder - embora nem sempre seja fácil confiar.

3. Inovação, sem gestão, não garante o sucesso. Por mais que você tenha ideias e conhecimentos geniais, vai precisar saber administrar. Ou conhecer quem o faça por você.

4. Pesquise a fundo a concorrência. É aí que podem estar as brechas de mercado. Vale também conhecer o cliente, claro.

5. Fique atento às novidades do mercado. Lembram da exaptação? Aquela de conhecimentos de uma área para outra. Vale também de uma realidade para outra, por que não?

(Para mais sobre exaptação, clique aqui e aqui)

6. Não se prenda a uma única ideia. Mas se for expandir, faça com planejamento e pesquisa.

7. Planeje para voar mais alto. É aqui que você vê onde seu projeto está certo ou errado.

8. Trace metas e seja competitivo. Desde que as metas sejam realistas, e você possua condição de ser competitivo. Senão, você pode entrar numa furada...

9. Descubra uma necessidade - e saiba preenchê-la. Retorne aos ítens 3 e 4.

10. Fazer direito vale a pena. Parece meio óbvio, mas muita gente ainda acha que trabalho meia boca engana bem. Mas não por muito tempo.

Curtiu o post? Não? Comente. Logo depois do bip.

Bip.

domingo, 27 de novembro de 2011

Livro - Investimentos

Fonte: submarino.com.br
Há um mês, emprestei esse livro a um colega de trabalho. Até então, ele nunca tinha lido um livro que falasse sobre como investir o próprio dinheiro. E gostou do que viu.

Eu também.

Investimentos (2007), de Mauro Halfeld, é apenas isso. Uma obra sem muitos requintes ou páginas. Mas que transmite a mensagem que você precisa ouvir.

Especialmente, se você ainda é jovem e pode planejar seus gastos e investimentos com um horizonte de tempo muito maior do que seu pai, por exemplo.

O livro começa com uma questão bem comum do dia a dia. A compra de um carro.

Visto como artigo de necessidade em nossas cidades, o carro pode fazer de você um eterno devedor. Principalmente se você deixou de direcionar esforços para economizar, por causa dos custos atrelados ao veículo.

Leia-se: seguro, prestações, combustível, IPVA, manutenção...

Mas tudo isso pode ser planejado. E até melhorado. Halfeld traz no livro os principais tipos de investimentos. Ações, imóveis, previdência privada, negócios próprios...

Semelhante a Investimentos Inteligentes, do Gustavo Cerbasi (para mais sobre esse livro, clique aqui). Só que em menos páginas.

Três ensinamentos que eu considero importantes desse livro. O primeiro, a ideia de começar cedo a poupar, para garantir o próprio futuro financeiro. Planos de previdência estão aí para isso.

Segundo, diversifique seus investimentos. A história de não colocar todos os ovos no mesmo cesto, quando se fala de dinheiro, é importantíssima.

Terceiro, antes de se lançar nos investimentos, mantenha uma reserva equivalente a cinco meses de seus gastos. Depois, aí sim, você pode começar a diversificar.

Uma leitura que vale a pena. Tanto que vou relê-lo nas férias, já que pretendo melhorar minha situação financeira em 2012. Mas essa é outra história, que depois eu conto.

Se quer ver o post na biblioteca do livro Investimentos Inteligentes, clique aqui

Se gostou ou não desse post, comente. Logo depois do bip.

Bip.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Novas aquisições - Gratidão.

O sentimento de gratidão não é bom?




















Espero que o livro do Gary Vaynerchuk sobre o assunto também seja.

Gratidão - Como gerar um sentimento incrível de satisfação em todos os clientes. Um livro que trata sobre essa nova forma de marketing. 

Da forma como encantar seus clientes pode fazer deles incríveis difusores dos seus produtos, conceitos, e negócios.

Pense nisso na próxima vez que estiver atendendo. Estimule a ...




















Se você já leu, ou quer ler, ou se já viu outros livros semelhantes, deixe um comentário. Depois do bip, please.

Bip.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Curiosidades - Riscar ou não os livros?

Imagem: flickr.com/photos/enoch/page2

















O terror de bibliotecários quando recebem um livro é vê-lo com páginas rasgadas. Sujas. Molhadas. Ou riscadas.

Se você já foi a qualquer biblioteca, sabe que muitos livros são riscados. Há quem compreenda os conteúdos melhor desse jeito. Marcando aquilo que for mais importante no momento.

... Ainda que depois não vá retomar aquilo. Até porque, é um livro de biblioteca. Outros vão usá-lo também.

Pior ainda se o risco é a caneta. Não sei o que machuca mais, o risco de caneta, ou o liquid paper - aquele corretor - usado nas páginas pra "limpar".

Os que gostam de riscar os livros dizem que você fica mais atento. Não perde o foco. E ainda retoma aqueles conteúdos ao final de um capítulo. Ou para fazer um esquema pós-leitura.

Embora o livro, muitas vezes, fique todo riscadinho.

Lembro que na faculdade, quando pegava uma xerox do professor, nem sempre sabia o que iria riscar. Alguns textos eram completamente grifados. Outros, ficavam mais limpos que sujos.

E os esquemas de borda de página? Setas, aspas, parêntesis...

Bons tempos.

Mas quando o papo é com livros, bem, eu só concordo que você risque os seus próprios. É como estou lendo esse garoto aqui.

Agora, Fazer isso com o de outra pessoa, ou de uma biblioteca, só se você fizer a lápis, e apagar depois.

E olhe lá!

Uma saída legal para não perder os conteúdos que você quiser pode ser usar algum tipo de programa agregador de conteúdos. Há alguns na web, que podem ajudá-lo.

Em especial, nas melhores citações dos autores.

Outra é fazer um mapa mental - um esquema utilizando palavras e temas-chave do livro. Isso depois da leitura total, ou de um capítulo.

E você? Curte riscar os livros? Odeia? Opine, comente. Depois do bip.

Bip.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Lições aprendidas - De onde vêm as boas ideias.

Como prometido aqui, eis as lições aprendidas desse belo livro. 

Esquematizei um mapa mental e coloquei em tópicos - depois deixo um post sobre o assunto mapas mentais, um grande aliado para os leitores.

Esse é o caminho das ideias. Entenda como um ciclo, sem necessariamente uma ordem claramente definida. Até porque, não estão necessariamente na ordem do livro.

Cada conceito com uma breve descrição vem acompanhado de uma ação proposta, para melhorar a produtividade das suas ideias.




O Possível adjacente.

"Espaço" que possa ser preenchido com sugestões, propostas, ideias. É preciso reconhecer e aceitar esse espaço no seu ambiente.
- Ação: promover o respeito, a aceitação de novos conceitos, é a base para explorá-los. Não podar as novas ideias logo de cara.

As Redes líquidas.

Conexões de pensamento que constroem o conhecimento. Entre a dispersão total e a rígida estratificação departamental.
- Ação: favorecer o desenvolvimento e o diálogo da rede, sem obrigar resultados.

Serendipidade

O acidental choque de conceitos e conteúdos, de diferentes áreas, que geram novas ideias. Colisões e descobertas improváveis.
- Ação: estar aberto a permitir que esses "encontros fortuitos" de conhecimentos aconteçam.

Exaptação

Adaptação de conceitos de uma área para a outra. Um "link" de  conhecimentos.
- Ação: estimular hobbies e outras atividades não relacionadas ao trabalho, ou projeto, realizado. 

Erro

Sucessivos demonstram persistência em acertar. Como o acerto, é uma obra em parte, do acaso, possibilitado pelo que o possível adjacente oferece de espaço para as tentativas.
- Ação: ver o erro como parte de um processo natural, e portanto, pode ser estimulado em alguma medida.

Intuição lenta

Ao se explorar o possível adjacente, surgem sugestões e novas propostas. E a investigação das mesmas, de forma gradual, interligando-as a outras, faz com que novos conceitos sejam formados.
- Ação: enxergar a intuição alheia como parte de um processo, do qual você pode ou não fazer parte.

Plataformas

Espaços que permitem o desenvolvimento e a discussão de ideias. A troca de conteúdos acontece em plataformas. Como recifes de corais, ou os cafés literários nas cidades do século passado.
- Ação: As plataformas se estimulam entre si. Logo, crie plataformas abertas, para permitir que outros desenvolvam conteúdos e conhecimentos ali, e que possam se agregar em seguida. (Ex: Twitter).

Em tempo: o post original do livro é esse aqui.

Se você gostou, ficou com dúvidas, ou quer comentar, fique a vontade. Depois do bip.

Bip.

domingo, 20 de novembro de 2011

Livros - Dia da Consciência Negra no Brasil.

Martin Luther King. Mahatma Gandhi. Barack Obama. Ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal brasileiro.

Afrodescendentes de sucesso. Política, direitos humanos, justiça, são os campos onde eles atuam.

Na música, nos esportes, em diversas áreas eles se destacam. Mas e nos livros de negócios?

Olha, não foi muito fácil achar autores. Mais porque eu preciso ler mais, do que pela inexistência dos mesmos.

Assim, para aproveitar esse dia da consciência negra, 20 de novembro, aqui vão algumas dicas de livros. De autores e pessoas afrodescendentes de sucesso no mundo.


Da diáspora: identidades e mediações culturais – Stuart Hall

Excelente autor sobre os estudos culturais na área de comunicação. Hall, nesse livro, trata de questões que ajudam a balizar esses estudos da cultura – focados principalmente na noção da importância do contexto em que se vive para analisar o pensamento e a forma como se desenvolve a comunicação. Obrigatório para teóricos e estudantes da área.





Um apelo à consciência: Os melhores discursos de Martin Luther King, um – Reunidos por Claybone Carson.

Ao acompanharem o discurso de posse do presidente dos EUA, Barack Obama, muitos se emocionaram com as palavras do primeiro negro a comandar a nação mais poderosa do planeta. Mas antes dele houve um homem, com menos poder, mas um sonho, e discursos poderosos. Sempre pela paz, ele influenciou toda uma geração. Em um momento onde o preconceito racial era ainda mais forte do que hoje. Recomendado para os futuros oradores.


O DNA de sua Marca pessoal – Hubert Rampersad

Uma excelente obra de um autor afrodescendente para quem pretende desenvolver a própria marca pessoal. Hubert Rampersad guia o leitor para fazê-lo entender formas de desenvolver e comunicar a marca pessoal que temos. A ideia é transformar uma identidade externa em algo concreto e possível de ser feito. Mercadólogos, essa é pra vocês.



A cabeça de Barack Obama – Sasha Abramsky

Não podia faltar algum livro sobre o Obama. Além de presidente da mais rica nação do planeta, ele é também uma figura da cultura pop, e já recebeu até o prêmio Nobel da paz. Para entender o fascínio que esse homem conseguiu, para ascender ao poder, Sasha Abramsky entrevista quase cem pessoas, que conviveram com, e ajudaram a moldar o homem Barack Obama.




Se você já leu algum desses livros, ou têm outras obras relacionadas a autores negros que gostaria de dividir, por favor, fique à vontade e comente.

Depois do Bip, é claro.

E viva o dia da consciência negra no Brasil!

Em tempo: Textos e imagens: elixirdosaber.blogspot.com e submarino.com.br.

Bip.

Novas aquisições - Livros Blog.

Já fazia um tempinho sem a coluna "novas aquisições". Então, já que meu negócio é ser blogueiro...


 ... Nada melhor que duas obras sobre blogs.

O primeiro, Blog Marketing, trata de formas de se estabelecer seu próprio espaço na internet. Só que, como o nome diz, do ponto de vista do marketing. Voltado principalmente para empresas.

Já o outro, do Hugh Hewitt, oferece bases para se entender como funciona o fenômeno da proliferação dos blogs na internet. Além, é claro, de lhe dar subsídios para você não ficar fora dessa briga.

Um leque de opções...
















... Ou quase isso.

Duas leituras recomendadas de blogueiro para quem quer ser blogueiro.

Se quer mais informações sobre os livros, aproveite e comente. Depois do Bip.

Bip.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Livro - O Ponto da Virada

Fonte: Submarino.com
Quando eu vi o livro do Malcolm Gladwell em uma megastore de Salvador, o que me chamou a atenção foi entender o fenômeno da viralização. 

Por exemplo, como os "pôneis malditos" viram um frissom. Ou como alguns resfriados podem se tornar epidemia - via uma espécie de histeria coletiva. 

E não só pela umidade ou disseminação do vírus. Há fatores psicológicos também envolvidos.

O Ponto da Virada (The Tipping Point, 2000-2002) fala sobre essa circunstância que faz um determinado fenômeno passar da normalidade e apresentar uma trajetória de alta. 

Uma espécie de desequilíbrio, mudança de trajetória no percurso natural.

O autor analisa os fatores que fazem uma mensagem se viralizar. São quatro principais - que podem atuar juntos ou isoladamente.

O primeiro é a regra dos eleitos. São as pessoas que fazem a mensagem circular. Ao promoverem um sapato, ou ao transmitirem uma mensagem de invasão de soldados inimigos.

Os eleitos podem ser comunicadores, pessoas bastante influentes e com contatos em várias áreas. Os experts - especialistas em certos temas. E os vendedores - aqueles com forte poder de contagiar e convencer os outros.

O segundo é o fator de fixação. Vai na mensagem. As formas de se transmitir, que tipo de elementos são empregados para que o público compreenda, absorva e queira mais.

Há ainda o poder do contexto. Ou seja, como o ambiente ao nosso redor influi nas nossas atitudes. Principalmente nos nossos julgamentos quanto a outras pessoas. Embora nem sempre a gente se dê conta disso.

Uma cidade mal cuidada, com pichações em muros e lixo nas ruas, influencia no comportamento mal educado, por exemplo, de jogar papel no chão. Ou até de cometer roubos, vandalismo, etc.

Não me refiro a Salvador, e sim a Nova York há uns 20 anos...

Gladwell me surpreendeu. Principalmente pela forma fácil como descreve suas conclusões, a partir de estudos sobre a atenção de crianças. A violência em Nova York. Ou mesmo da epidemia de suicídios na Micronésia.

(Aliás, esse é um dos motivos pelos quais os veículos de comunicação sérios evitam notícias sobre suicídios. Para evitar que esses casos se tornem manias)

Uma leitura interessante para profissionais de psicologia e gestores da comunicação - em especial publicitários e mercadólogos.

Afinal, eles são os principais interessados em viralizar. É quando sua propaganda toma a sociedade de assalto, e é a mais comentada.

Os pôneis malditos que o digam...

Ei, aproveite para comentar. Depois do bip.

Bip.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Livro - Investimentos inteligentes.

Imagem: Submarino.com
Não sei se já falei sobre isso no blog. Mas sou meio cético quanto aos livros que prometem enriquecimento imediato.

"Fique rico", "Queremos que você fique rico", "enriqueça em um ano". São títulos que me incomodam. Soam como solução definitiva. E podem ser ótimas armadilhas.

No meu caso, preferi começar com dois especialistas para entender melhor o assunto. Investimentos, de Mauro Halfeld, e Mais tempo, mais dinheiro, de Gustavo Cerbasi e Christian Barbosa.

Como gostei do Cerbasi, Decidi apostar em outro livro dele. Investimentos inteligentes. Linguagem simples, com poucos complicadores de "economês".Nada que atrapalhe.

Para quem não sabe onde colocar o dinheiro que ganha, invista nesse livro.

Cerbasi explica como você deve enxergar oportunidades (e riscos) na bolsa de valores, títulos de renda fíxa, letras do tesouro, fundos, entre outros.

Mais do que apenas apresentar as formas, Cerbasi guia o investidor no que ele deve fazer e como proceder, para cada interesse.

Aliás, essa é a palavra principal quando se fala sobre investimentos. Interesses.

O que você quer? O que deseja ter em sua vida? Depois disso, você começa a planejar como vai chegar lá. E acredite, é possível fazer.

E sem precisar de tanta sorte quanto para ganhar na mega sena...

Parece óbvio, mas é o que o pessoal menos faz por aí. Porque não viu isso na escola. Lê muito pouco sobre a área.

E porque matemática parece ser a matéria mais complicada da infância de muita gente...

Bem, não se preocupe com ela no livro do Cerbasi. Os exemplos são claros, e permitem que qualquer um possa compreender melhor como deve usar o próprio dinheiro.

Se você vai ler esse livro, atenção também ao capítulo sobre previdência privada. Afinal de contas, com o país envelhecendo, em 20 ou 30 anos teremos uma nação de idosos.

E não me parece ser a melhor opção depender do INSS, se é que ele vai continuar com as mesmas regras daqui até lá...

Se você já leu, gostou ou não do post, comente. Depois do bip.

Bip.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Bienal do livro em Salvador - ahn...


Nesse fim de semana fui à Bienal do livro, que aconteceu em Salvador. Pra variar, comprei vários volumes, principalmente no estande do Senac. Depois vou postar em uma sessão "novas aquisições". Era lá, aliás, um dos poucos onde pude encontrar literatura de negócios.

A entrada para a feira era convidativo. 4 reais a inteira, 2 a meia entrada. Lá dentro, muito mais crianças do que eu esperava. Eram muitos espaços para os baixinhos. Cordel, leituras, brincadeiras, sem contar o bando de editoras que levaram um monte de revistas pôsteres, e tudo o mais.

Aliás, eram vários estantes SÓ com isso. Caça-níquel mesmo. Livro? Ah, isso é coisa de adulto...

Enquanto passeava, percebi que os estandes das livrarias, como a LDM, não diferenciavam os livros por  segmento. E sim, por editora. O que dificulta um bocado a busca.

Imagine percorrer 10 prateleiras pra encontrar um livro sobre gestão, ou negócios. Mais uma vez, o único estande que caprichou nesse sentido foi o do SENAC. Lá, aliás, só havia livros de segmentos de negócios.

Pior eram aqueles que sequer separavam. E tentavam ganhar clientes com livros entre 5 e 10 reais.

Haja paciência pra procurar. E pior, muito material vendido a preço de banana, vários de qualidade duvidosa. Era preciso garimpar um bocado pra achar algo que servisse.

Mas onde estavam os livros de negócios? Só no SENAC? Espera, então não havia nenhum estande de editoras específicas para isso? NOVATEC, Help!

É, parece que a área não faz tanto sucesso assim...

Mas serviu para pensar em algumas ideias e estratégias, para feiras futuras. Principalmente porque um dia espero ter um estande da Biblioteca do Masca em uma Bienal. Por que não?

Quem sabe uma parceria com alguma editora. Ou uma livraria. Por exemplo, a parte de negócios seria a Biblioteca do Masca. Pensem nisso, editoras!

Enfim, let's think! E se houver sugestões, por favor, não se façam de rogados. Comentem!

Depois do bip.

Bip.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Livro - Como acabar com sua empresa em apenas 140 caracteres

Fonte: andrevarga.blogspot.com
Desde que eu li Como as gigantes caem (análise aqui, e lições aprendidas aqui), passei a me interessar por livros que contam como fracassar. A partir de cases com falhas de percurso, podemos traçar um caminho que evite os problemas.

Foi daí que decidi comprar e ler uma obra pequena - 153 páginas - sobre o Twitter. O microblog mais famoso da internet, e que já possui milhares de seguidos, seguidores, aplicativos relacionados, enfim. Que é, também, um dos maiores geradores de polêmicas da atualidade.

Se alguém do alto escalão de uma empresa, do governo, time de futebol ou meio artístico vai falar uma besteira, em geral, escolhe o Twitter pra fazê-lo. E, normalmente, da maneira mais bestial possível...

O erro mais comum é achar que o Twitter é um bate-papo fechado, como o Msn ou o saudoso Icq. Ou que dá pra corrigir alguma besteira digitada, bastando apenas retirar o post do ar.

Isso depois de metade dos seguidores já ter feito um print screen da página em questão, divulgado em outras redes e até a imprensa ter divulgado...

Como acabar com sua empresa em apenas 140 caracteres (Novatec, 2011), da publicitária Carolina Lima, alerta para alguns dos erros mais comuns no microblog. Embora traga o assunto de maneira resumida, dá pra ter uma noção do estrago que o mau uso do Twitter pode causar à imagem de uma empresa.

Junto aos cases negativos da Renault, Locaweb e Nissan, o livro é interessante por listar vários aplicativos relacionados ao Twitter. E que podem ajudar na experiência do usuário. 

Nesse ponto, lembra até A revolução das mídias sociais (mais sobre esse livro aqui), na listagem das soluções, mas sem explorá-las a fundo.

De resto, é uma leitura rápida para que não têm muito tempo para estudar o assunto. Mas que apresenta tudo bem por cima.

Mas é um bom começo.

Se você já leu, ou quer saber mais, por favor, comente. Logo depois do bip.

Bip.